1º Congresso Latino-Americano de Steel Framing é considerado um marco na história.

Evento reuniu, em São Paulo, os principais especialistas em Light Steel Framing (LSF) das Américas e os congressistas já contam com a segunda edição, para o próximo ano.

O Teatro do Hotel Renaissance, na capital paulistana, teve sua capacidade de lugares repleta de congressistas e palestrantes, sendo que alguns tiveram de se acomodar entre corredores do ambiente para acompanhar o 1º Congresso Latino-Americano de Steel Framing, realizado pela Take Comunicação e pela Mictech Cursos- empresa que se dedica a treinamento e capacitação de profissionais para projetar e construir com este sistema construtivo industrializado e sustentável, que já ocupa lugar de destaque na construção civil de diversos países como Japão, Estados Unidos, Alemanha, Canadá e tantos outros, e que toma corpo e ganha espaço na América do Sul.

Segundo a idealizadora e coordenadora do evento, Luana Carregari, era importante apresentar um panorama do desenvolvimento deste sistema construtivo no Brasil e na América latina, de forma consistente e abrangente e propiciar o diálogo entre os profissionais, a indústria, universidades, os órgãos regulamentadores e instituições representativas do setor. “É importante que haja um maior comprometimento de todo segmento para o desenvolvimento do LSF no Brasil. Entender como o LSF está se desenvolvendo em outros países e trocar experiências enriqueceu o evento, que reuniu aproximadamente 550 profissionais de diversas regiões do Brasil e da América Latina. Nosso vídeo de divulgação dizia ” você vai se surpreender.” E, de fato, sabíamos que surpreenderia a todos, se reuníssemos as experiências e obras que estão acontecendo no Brasil nos últimos cinco anos”, enfatiza Luana Carregari.

As Inscrições já estavam esgotadas a dez dias do evento e muitas pessoas que tentaram conseguir ingresso no local, não conseguiram entrar nas palestras. “Historicamente, alguns marcos foram importantes ao Light Steel Frame. Em 1933, um protótipo de casa em LSF foi apresentado na Feira Mundial de Chicago (EUA). Após 2ª Guerra Mundial, em 1950, o LSF tornou-se comum no Japão devido à necessidade de reconstrução de quatro milhões de moradias. Na década de 80, novamente nos EUA, os perfis leves de aço ganharam competitividade e começaram a substituir a madeira. No Brasil, a introdução do LSF ocorreu após os anos 90, ainda com alguns produtos importados. Apenas a partir do ano 2000, todos os componentes deste sistema passaram a ser produzidos nacionalmente. Mas, em 2015, um novo marco consagra definitivamente a tecnologia do LSF: a realização do Primeiro Congresso Latino Americano, no Brasil. O sucesso deste evento certamente refletirá em novos rumos à construção civil”, declara o Professor Doutor Carlos Marmorato Gomes, do departamento de Engenharia Civil e Arquitetura, da Unicamp. Marmorato palestrou sobre a importância do ensino desta tecnologia construtiva nas universidades brasileiras e é reconhecido como grande incentivador de novas tecnologias construtivas que correspondam às necessidades deste século, uma construção racional e industrializada, rapidez de execução, qualidade, redução do desperdício, com conceito mais sustentável na utilização de materiais reciclados e recicláveis e com projetos pensados para a vida útil do empreendimento.

Assim como o acadêmico, muitos outros congressistas e apoiadores do evento se manifestaram plenamente satisfeitos com o encontro e otimistas com a popularização do Light Steel Framing deste lado do planeta, entre eles o diretor da Framecad Américas, Stanley Adwell, a mais tecnológica empresa em softwares e máquinas perfiladeiras deste sistema construtivo, que comandou o painel sobre tecnologia e o processo da produção automatizada, desde o projeto até a construção. “Foi um evento espetacular, profissional, abrangente e baseado no conhecimento inovador para o desenvolvimento do LSF. Cabe agora aos envolvidos neste setor manter a dinâmica, captar o interesse do mercado e seus líderes para criar as bases o sistema construtivo. A ideia é educar, inspirar e concentrar a atenção dos mercados sobre as vantagens, os sistemas disponíveis e metodologias em elevado nível profissional”.

O Congresso contou com a participação de toda cadeia produtiva e alavancou vários negócios para as empresas que expuseram seus produtos. Para os profissionais foi uma importante troca de informações e experiências.  Patrocinadores como a Framecad, Votorantim Metais, Eternit e outras importantes empresas do setor, que apostaram no evento, se mostram plenamente satisfeitas com os resultados. “O nível e qualidade das palestras bem como dos participantes foi surpreendente. Por se tratar do primeiro Congresso, a adesão foi total e a lotação superou minhas expectativas. Comercialmente falando também foi um sucesso. Realizamos inúmeros contatos, inclusive com profissionais estrangeiros do Uruguai e Argentina”, declara o engenheiro Mauro Cruz, gerente da divisão de construção civil da Trisoft.

Outra observação positiva foi de Francisco Pedrazzi, Presidente do INCOSE Instituto de Construção a Seco da Argentina e Gerente de marketing e novos projetos da AD Barbieri, empresa argentina com mais de 60 anos, entre as líderes de fabricação de produtos para o mercado da construção. É uma das mais importantes empresas do setor de fabricação de perfis de aço galvanizado para construção a seco. Pedrazzi veio ao Congresso para falar do desenvolvimento da construção a seco nos países latino-americanos. “O sucesso deste primeiro Congresso Latino-Americano de Light Steel Frame, tanto pelo público que assistiu como pelo conteúdo das palestras mostram que o sistema já é uma realidade na América Latina. Mas ainda há muito a ser feito em termos de promoção, educação, formação profissional e treinamento. Para os participantes e palestrantes o futuro envolve um desafio para lograr que o LSF seja naturalmente, um sistema de escolha para a construção de edifícios em nossos países.”

Sobre a evolução de materiais na construção civil e benefícios no aumento da vida útil dos perfis de aço galvanizado, falou a Engenheira Química Daniele Albagli, que comanda o setor de Marketing e Desenvolvimento de Mercado para a Votorantim Metais, uma gigante no setor de insumos da construção a seco no Brasil.

Para a engenheira civil, Catia Mc Cord Coelho, que mediou o painel sobre sustentabilidade na construção civil, o 1º Latino-Americano de LSF foi um marco porque apresentou como o conservadorismo da construção civil brasileira está em processo de mudança. O evento apresentou respostas sobre a vocação do sistema LSF. Casos inquestionáveis de sustentabilidade, de versatilidade e rapidez foram apresentados. Foi demonstrado que a produtividade vem da inovação, da tecnologia, da industrialização e do planejamento. O sistema LSF se apresenta oportuno diante da reiterada importância da ABNT NBR 15575 de desempenho.  Exemplos e dicas de como reduzir prazos com qualidade a custos competitivos também se destacaram. Novos componentes e alternativas, assim como cuidados essenciais foram evidenciados. As experiências chilena, argentina e uruguaia convergiram na influência da padronização, normalização e conscientização das características do sistema LSF. Ela afirma que, mesmo diante deste cenário promissor, o sistema construtivo LSF carece de providências, ainda prementes, mas não limitadoras à manutenção do crescimento do sistema LSF no país, como aprovar no âmbito da ABNT o texto-base para norma técnica sobre requisitos gerais do sistema LSF; manter a capacitação contínua de mão de obra; constituir entidade representativa da cadeia LSF para difundir mais amplamente o sistema, o bom projeto, a boa instalação, assim como manter normas técnicas atualizadas e convênios com universidades e escolas técnicas.A engenheira finaliza dizendo que o sistema Light Steel Framing – LSF satisfaz à causa sustentável, sem desperdícios, com humanização nas relações de trabalho e rapidez na entrega. E o aço é o material amigável para o pretendido desenvolvimento sustentado. O sistema valoriza a qualificação profissional, dignifica o trabalho mais leve, limpo, com menor desgaste de tempo e energia assim como reduzidas margens de erro, uso dos materiais na medida certa, sem sobras, sem desperdício ambiental.

Com objetivos alcançados e ainda muitos desafios para a popularização da construção a seco no Brasil, os congressistas, empresas e palestrantes já aguardam pelo 2º Congresso Latino-Americano de Steel Frame, que será realizado nos dias 19 e 20 de maio de 2016.

Fonte: http://www.congressosteelframe.com.br/blog/

congresso{BC12DDDE-DCDC-0DDB-7CAB-EBA5DDCC781C}