Evento desfaz preconceitos e mitos em processo inovador da construção

Construções a seco foram o tema de palestras ao longo de dois dias reunindo, em São Leopoldo (RS), profissionais de diversas áreas

Benefícios para construtoras que ganham tempo e dinheiro. Ganhos para comunidade com obras mais sustentáveis e limpas. Menor consumo de água e menos resíduos gerados. Para o usuário qualidade de obra e de vida. O processo construtivo de construção a seco, o Light Steel Framing, foi tema de debates reunindo engenheiros, arquitetos, estudantes e profissionais do setor. O sistema construtivo é estruturado em perfis de aço galvanizado formado a frio, projetados para suportar às cargas da edificação dispensando uso de água e oferecendo uma série de vantagens na comparação com métodos tradicionais. Estudos mostram que a casa é mais resistente a temporais, além de tecnologias terem já superado questões como conforto térmico e acústico

O primeiro tópico abordado ao longo da terça-feira (07/11) foi o BIM – Building Information Modeling que consiste na simulação completa do edifício antevendo o comportamento antes da construção real ter início. O arquiteto Alisson Shipper, destacou vantagens como gerenciamento de dados, cronogramas organizados e facilidade na compra de materiais e logística.

– Eu simulo a construção de um edifício desde a terraplenagem até o acabamento. Através disso, consigo ter informações completas, por exemplo, da quantidade de terra que vou tirar, valores e equipe que vou ter que destinar a minha obra. Isso tudo significa menos imprevistos na obra, menos dor de cabeça e mais dinheiro, além de uma economia de tempo de até 70% – disse.

Um dos desafios no Brasil, segundo a arquiteta Heloísa Pomaro, é adequar-se a essa nova cultura.

– Em steel framing, não se fala em metro quadrado. É preciso projeto e quantitativo, ou seja, tudo dentro da realidade. Então não é fácil mudar essa cultura no Brasil, porque não será possível, por exemplo, mudar de ideia lá no meio do andamento da obra. O aspecto positivo é que cada vez há mais pessoas interessadas em mudar e melhorar a construção. Então parabenizo os organizadores do evento que estão proporcionando isso – afirmou.

Um aspecto lembrado pelo engenheiro Tiago Gomes, da Imecon Sistemas Construtivos, é que as residências vão desde linhas populares como do projeto Minha Casa Minha Vida, até casas de alto padrão. O palestrante também ressaltou a facilidade que o mercado oferece de personalizar o projeto ao gosto do cliente, desde a sua concepção até os diferentes tipos de acabamentos.

O conceito permite uma transferência de local de trabalho importante, do ponto de vista de segurança no trabalho. A estimativa é que consiga-se reduzir em até cinco vezes o número de operários no canteiro de obras transferindo a mão de obra para a fábrica, onde é possível um controle e segurança muito maior.

O desafio de empreender nesse segmento foi o tema trazido pelo engenheiro Valério Sbeghen Mayer. O profissional falou dos avanços que estão sendo conquistados na área, desfazendo mitos e tornando possível investimentos em construções inovadoras, modernas e eficientes.

– Empreender em Light Steel Frame não é uma questão de coragem, ou ato heroico. Empreender nesse segmento é inovar com segurança – disse.

Entre as apresentações de cases, a engenharia Mariana Brönstrup, apresentou o trabalho desenvolvido no Condomínio Quinta do Palácio, em Gramado.

A programação contou ainda com a apresentação do engenheiro Marcelo Neves, falando sobre o processo da obra; arquiteto Hélio Fernandes, do grupo Saint Gobain; resistência ao fogo, com a engenheira Francieli Lucchette; sistema para vedação de fachada, com a apresentação da Smart Sistemas feita pela engenheira Marilucy Butinholi Rodrigues; soluções construtivas Quick House, com o arquiteto Roberto Becker e soluções termoisolantes com o engenheiro Giuseppe Santache.

O 1o Encontro Regional de Construção a Seco foi realizado no Anfiteatro Padre Werner, na Unisinos, em São Leopoldo (RS). O projeto faz parte de uma série de encontros regionais realizados em regiões estratégicas do Brasil. Em 2017 foram realizados encontros em Recife, em maio e em Brasília, em agosto. Em 2018 acontece o 3o Congresso Latino Americano de Steel Frame, em São Paulo (SP).

Redação: Marcelo Matusiak

Coordenação: Marcelo Matusiak

0f8e8841-66e8-451b-b986-b604ca17b9ec (1)